Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 03/10/2019

A baixa criação de empregos no setor privado americano em setembro e a revisão para pior do dado anterior assustou os mercados globais ontem, acendendo a luz amarela de que a desaceleração econômica pode estar chegando ao consumidor, um dia depois de número fraco da indústria. O resultado foi uma queda generalizada e forte nas bolsas europeias, americanas e no Ibovespa, que mostrou a maior baixa em mais de um mês. O dólar também foi enfraquecido pelo dado, os rendimentos das treasuries caíram, ouro e iene foram demandados como ativos de proteção. Ao final da tarde, o dólar acentuou a queda e os juros futuros reduziram levemente a alta com a aprovação da reforma da Previdência em 1º turno pelo Senado, sem mais desidratações além dos cerca de R$ 70 bi já vistos com aprovação de destaque sobre abono salarial.


No exterior, as bolsas americanas caíram ao menor nível desde agosto após a decepção com o ADP nos EUA reforçar os temores de desaceleração da economia americana vistos na véspera com o ISM. T 10 anos caíram para 1,59%. Os números econômicos mais recentes estão gerando preocupações de que uma desaceleração, que se restringia principalmente à manufatura, possa estar se espalhando para o consumidor em meio à guerra comercial EUA-China. Esses temores também aumentaram as apostas de que o Fed cortará as taxas este mês. O foco agora se volta para os dados do PMI de serviços amanhã e o payroll na sexta-feira.


Hoje o mercado deve continuar oscilando ao sabor dos indicadores da economia global e do ritmo da reforma da Previdência. Bolsas indicam pausa na queda de ontem. Investidor agora redobra atenção para dados de serviços que saem hoje, além do payroll amanhã. Aperitivo amargo esta manhã já veio na Europa, onde os PMIs de serviços decepcionaram. Ao contrário da bolsa, dólar tem alívio e estende queda com aumento das apostas em cortes de juros do Fed. No Brasil, agradou o fato de o Senado ter finalizado a aprovação da Previdência sem novas desidratações. Governo agora trabalha para evitar mudanças adicionais e Alcolumbre tenta acordo para garantir o cronograma da votação em 2º turno.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre