Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 02/12/2019

A baixa liquidez do último dia do mês de novembro, em razão do feriado de Ação de Graças e da Black Friday, fez o dólar e os contratos de juros passarem por ajustes. O dólar chegou a abrir em queda após o anúncio de intervenção do Banco Central do Chile, que trouxe alívio para o peso e influenciou o mercado local. Mas, em dia de vencimento de Ptax, agenda esvaziada e sem atuação do BC, a moeda encerrou o dia em alta pela quarta vez na semana na casa de R$ 4,24 - após a baixa acentuada da véspera -, no pior desempenho entre os emergentes. Os juros também oscilaram e fecharam em queda moderada, numa correção após as altas recentes. A aposta de corte da Selic em dezembro, que sofreu cautela com a disparada do dólar na semana, voltou para acima de 40 pontos na curva. O Ibovespa encerrou o pregão perto da estabilidade, com pressão negativa da Petrobras por conta da baixa acentuada do petróleo. No EXTERIOR, as bolsas americanas caíram em sessão mais curta e com liquidez reduzida após feriado. Investidores aguardam evidências de progresso em acordo comercial com a proximidade da data de imposição de novas tarifas a produtos chineses em 15/dezembro, e em meio a tensões adicionais sobre Hong Kong depois que o presidente Trump assinou projeto em apoio aos manifestantes.


Hoje, as bolsas globais iniciam o último mês do ano em alta moderada e os yields das treasuries sobem após PMIs (dados de atividade) na China e Europa superarem as estimativas e com vendas online recorde na Black Friday americana. Sentimento positivo, contudo, é insuficiente para impulsionar moedas emergentes, que têm desempenho levemente negativo com falta de progresso nas negociações EUA-China, enquanto petróleo recua antes de encontro da Opep. Sinais de melhora da economia global serão checados ainda hoje com ISM e PMI dos EUA e na sexta com payroll, enquanto o Brasil - onde a Black Friday também foi forte segundo o Valor - terá PIB amanhã. Agenda local hoje destaca palestra de Campos Neto, Focus e balança comercial, que ganha peso após revisão recente. Dólar segue exterior e monitora início das intervenções do BC chileno.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo