Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 02/10/2019

O Ibovespa começou o mês de outubro em queda, após completar 5 trimestres seguidos de ganhos. E o motivo foi o receio de desaceleração global, que também abalou as bolsas americanas, após ISM manufaturas dos EUA cair ao menor nível em dez anos e ficar abaixo de 50, indicativo de contração. O dólar subiu em boa parte do dia, mas chegou a apagar a alta após CCJ do Senado aprovar o relatório da Previdência, que agora segue para o plenário, onde deverá ser votado em 1º turno. Entretanto, a moeda oscilou ao final da tarde com notícias de que votação em 2º turno poderia sofrer atrasos, com cobrança de senadores sobre compromissos que teriam sido assumidos pelo governo. Os juros futuros encerram sessão regular, mais uma vez, com pouca alteração.


No exterior, as bolsas americanas caíram após ISM manufaturas nos EUA em setembro cair inesperadamente de 49,1 para 47,8 - o menor nível em dez anos -, ante est. de 50, entrando na zona inferior a 50 que indica contração. O PMI do mesmo mês veio em linha e manteve-se acima de 50. O presidente Trump acusou o Fed de prejudicar o setor manufatureiro ao permitir o fortalecimento do dólar. A tensão comercial latente é o culpado óbvio da fraqueza da produção americana. Existe um cenário muito fraco para a produção. A preocupação é com o efeito de contágio no setor de serviços, que é a força motriz da economia americana. O petróleo caiu após sinais econômicos negativos nublarem o cenário para demanda global de energia.


A reforma da Previdência foi aprovada no final da noite de ontem em 1º turno no Senado, mas com destaque que derrubou a regra que restringiria o abono salarial. Com isso, a economia cai de R$ 870 bi para R$ 800 bi. Derrota do governo liga o alerta para o risco de desidratações adicionais, pois seis destaques ainda devem ser votados hoje. A reforma ainda enfrenta pressões antecipadas de senadores com vistas ao 2º turno. Revés parcial na reforma se soma ao cenário externo negativo, com bolsas globais estendendo queda após ISM nos EUA ontem ampliar receios de desaceleração global. Em meio a sinais de impacto da guerra comercial e com processo de impeachment de Trump também gerando incerteza, mercado espera novas pistas sobre economia com ADP hoje, PMI serviços amanhã e payroll na sexta. Agenda ainda traz falas de dirigentes do Fed nos EUA e, aqui, leitura do relatório de rateio do pré-sal e dados da Fenabrave. IPC-Fipe marca zero, sublinhando cenário favorável a corte de juros.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo