Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 01/11/2021

Sexta: O Ibovespa entrou em bear market ao fechar em queda de 2,1% e consolidar perda de 21% desde o pico em junho. Índice tombou com pressões negativas de Petrobras - que seguiu na berlinda depois de Bolsonaro ter falado em mudar política de preços - e Vale, cujo balanço do terceiro trimestre decepcionou. Eletrobras afundou com notícia de que privatização dificilmente acontecerá em 2022. Juros futuros tiveram queda expressiva, em ajuste à disparada da véspera e taxas aprofundaram baixa ao final da sessão, depois que o secretário do Tesouro, Paulo Valle, disse que trabalha de forma coordenada com BC e poderá atuar com recompra de títulos se julgar necessário. O dólar chegou a cair quase 1%, batendo a mínima de R$ 5,5985 após a fala do secretário, mas logo apagou a maior parte do movimento e chegou ao final do dia com baixa de apenas 0,2%. O mercado seguiu com muita incerteza sobre a PEC dos precatórios, cuja votação foi adiada para 3 de novembro. O governo não trabalha com outra possibilidade que não seja a de aprovação da PEC, disse o secretário Especial do Tesouro, Esteves Colnago. A bolsa caiu 6,7% em outubro, a quarta baixa mensal seguida e o dólar subiu 3,6%, no segundo mês consecutivo de avanço. Bolsas dos EUA se recuperaram antes do fechamento, após investidores avaliarem balanços decepcionantes e oscilações dos yields por receios de pressões inflacionárias que levem os BCs globais a retirarem estímulos.


Hoje: Bolsas globais sobem com balanços e Yellen reforçando otimismo com EUA, mas cautela persiste em outros mercados. Yields sobem e ajudam a sustentar dólar antes do Fomc, que deve anunciar na quarta-feira o início do tapering. Semana pesada para juros globais ainda traz decisão do BOE, quinta-feira, além do payroll e outros dados dos EUA na semana. No Brasil, onde véspera de feriado pode trazer cautela adicional, juros também estão em cena com ata do Copom, na quarta, após comunicado decepcionar parte do mercado, que esperava tom mais duro. Focus hoje, a 1ª após o Copom e IPCA-15 salgado de outubro, pode trazer novas revisões para inflação e Selic. Juros também podem reagir ao leilão de NTN-B após Tesouro ajudar a derrubar taxas na sexta ao dizer que pode atuar se necessário. Mercado segue monitorando tramitação da PEC dos precatórios e Auxílio Brasil, depois de Bolsonaro dizer que tem Plano B. SP encerra restrições à Covid e governo conta com baixa adesão na greve dos caminhoneiros, segundo jornais. No corporativo, Bolsonaro diz que Petrobras é um problema. Aneel mantém bandeira escassez hídrica.


Bom dia e boa semana

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre