Buscar
  • Vinicius Verdu

Morning Call - 01/04/2022

Ontem: O dólar chegava ao final da tarde em baixa, em acomodação longe das mínimas, após a formação da Ptax de fim de mês e trimestre. Moeda encerrou o quinto mês seguido de baixa e registrou a maior queda trimestral desde 2009, graças ao fluxo atraído para o Brasil pelos juros altos e para a bolsa. Os bancos acentuaram perdas ao final da tarde e pesaram para a leve queda do Ibovespa no dia, com notícia de que o governo avalia uma nova elevação na CSLL, publicada pelo Globo sem citar fontes da informação. Ainda assim, o desempenho da bolsa brasileira superou o das bolsas de NY e consolidou o melhor primeiro trimestre desde 2016, com a busca de investidores por ativos ligados a commodities. No mês, a bolsa teve ganho de 6,1%. Os juros futuros mostraram quedas na esteira da baixa do petróleo após ordem de Biden para liberar o produto das reservas dos EUA para atenuar o impacto da inflação. Petróleo afundou para US$ 100 o barril. Na política, Moro se filiou ao União Brasil e disse que desistiu de candidatura presidencial para favorecer a 3ª via. João Doria renunciou ao governo para concorrer à Presidência.


Hoje: Bolsas e rendimentos dos títulos sobem enquanto mercados aguardam o relatório de emprego dos EUA, às 9:30, em busca de pistas sobre o ritmo da alta de juros do Fed. Petróleo oscila perto de US$ 100 após despencar 7% nesta quinta-feira com notícia de liberação de estoques dos EUA, o que ajudou a derrubar juros futuros no Brasil. Rússia e Ucrânia devem voltar a conversar, após guerra fazer CPI da zona do euro bater recorde. Agenda doméstica traz produção industrial, com estimativa de alta mensal de 0,5%, e superávit da balança comercial, que pode atingir US$ 9,5 bi. Bancos seguem em foco na bolsa após caírem ontem com notícia de que o governo estuda elevar a CSLL para compensar perda de receita com um programa para pequenas empresas. Bolsonaro diz que combustível pode cair com depreciação do dólar, que fechou o 1T com a maior queda trimestral desde 2009.


Bom dia e bom final de semana

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo