Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 21/08/2019

Depois de uma manhã de maior volatilidade, os ativos brasileiros passaram a tarde de ontem mais calmos. O dólar teve a primeira baixa em três dias, em ambiente de recuperação de moedas emergentes, um dia antes de o BC iniciar a atuação com venda de reservas conjugada com swap reverso. Os juros futuros encerraram a sessão regular com pouca alteração, com viés de baixa nas taxas curtas e de alta nas longas. E a bolsa também se comportou mais na estabilidade na segunda parte dos negócios, depois de grande oscilação vista mais cedo, encerrando o dia com leve baixa de 0,2%. O peso argentino teve a terceira queda seguida, porém menor do que nos dias anteriores e do que a expectativa dos mercados, o que ajudou na melhora. O novo ministro da Economia, Hernan Lacunza prometeu usar “todas as ferramentas disponíveis” para estabilizar o peso e o FMI disse que está enviando “em breve” uma delegação para visitar o país.


Lá fora, as bolsas americanas e os rendimentos das treasuries de 10 anos caíram, enquanto os investidores seguem avaliando as últimas notícias sobre a guerra comercial e buscam pistas sobre a política monetária. O secretário de estado norte-americano, Michael Pompeo, disse em entrevista que a Huawei não é a única empresa chinesa a impor riscos à segurança nacional. Ainda segundo o secretário, EUA e China devem continuar negociações pela próxima semana ou pelos próximos 10 dias.


Hoje o Banco Central inicia leilões conjugados de dólar à vista e swaps reversos, após anúncio na semana passada ter ajudado a derrubar a moeda americana num 1º momento, mas sem impedir que a divisa fechasse acima dos R$ 4,00 nas últimas três sessões. Guedes tenta motivar o mercado e deve anunciar 17 estatais a serem privatizadas. Lista deve incluir empresas já conhecidas, como Eletrobrás e Correios, segundo o Poder360. Presidente do Senado diz que casa deve votar semana que vem o projeto da cessão onerosa. No setor imobiliário, aposta do governo é no crédito corrigido pelo IPCA. Agenda doméstica esvaziada destaca presenças de Guedes e Campos Neto no Congresso. No exterior, dia começa positivo, com bolsas e moedas emergentes em alta. Mercados aguardam ata do Fed após sinais recentes mais cautelosos sobre os juros americanos terem ajudado a pressionar o dólar.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo